Untitled Document
Voltar para a Home...   sexta-feira, 15 de dezembro de 2017
Siga-nos no Twitter...
Voltar para a Home...

Artigos
SEGURANÇA

Lei e Convenção obrigam aos cuidados prediais
Cada dia que passa, as deteriorações vão aumentando e os consertos passam a ficar mais caros
Há inúmeros prédios condominiais que estão se deteriorando por falta de manutenção (permanência daquilo que deve ser mantido em sua originalidade) e por falta de conservação (diligência que deve ser tomada para que aquilo não se deteriore). As deteriorações começam nos telhados, estendem-se pelas fachadas e atingem os pisos, motivadas pelas chuvas, ventos, exposições ao sol. São apodrecimentos das madeiras no telhado, quebras das telhas, enfraquecimento das pinturas, ferrugens nas partes metálicas das janelas, apodrecimento das esquadrias de madeiras, trincas nas argamassas das paredes externas, trincas nos pisos do andar térreo, aparecimento de ferragens, solturas dos ladrilhos e azulejos, etc. Há as deteriorações não visíveis, como as no interior dos encanamentos de água ou de força elétrica, além das oxidações e emendas nos fios (“gambiarras”) nos quadros de força e luz. Cada dia que passa, as deteriorações vão aumentando e os consertos passam a ficar mais caros. Há situações em que as companhias de seguro se recusam a emitir qualquer apólice para proteger os interesses dos condôminos (Art. 1.346, do Código Civil: É obrigatório o seguro de toda a edificação contra o risco de incêndio ou destruição, total ou parcial). Com isso, o síndico se vê em situação de extrema responsabilidade pessoal, por não cumprir a sua obrigação imposta no Código Civil (Art. 1.348. Compete ao síndico: IX - realizar o seguro da edificação). Por outro lado, as deteriorações causam outros tipos de incômodos aos moradores nos apartamentos imediatamente abaixo do telhado ou do terraço de cobertura do prédio. São as infiltrações de água que atingem o teto, as paredes e armários das respectivas unidades (apartamentos, lojas, salas, etc.), provocando também ferrugem nos conduites e lustres, com queimas de fios e lâmpadas, por curto-circuito. A responsabilidade direta, pela omissão nos consertos, como se vê, recai sobre o síndico e a responsabilidade do custeio é inteiramente dos condôminos. Por isso, o síndico tem que fazer uma assembleia geral e apresentar os orçamentos dos reparos a serem feitos nas partes externas e internas do edifício, que estão deterioradas. Há também a necessidade de ser feita uma vistoria nas unidades condominiais para os devidos reparos, sob pena de eventual ação judicial pelos moradores que estão sofrendo danos materiais e até morais. 

Róberson Chrispim Valle
robersonvalle@globo.com


  Untitled Document





Untitled Document

Jornal Sindico News - Editora Santa Luiza Ltda.
Tel: 11 5573-0333 - São Paulo - contato@sindiconews.com.br
© COPYRIGHT 2012 - Todos os direitos reservados
 
1176318 visitas
 
Desenvolvido por