Untitled Document
Voltar para a Home...   terça-feira, 17 de outubro de 2017
Siga-nos no Twitter...
Voltar para a Home...

Artigos
SEGURANÇA

Como tornar os condomínios menos vulneráveis?
Apesar de tudo que se faça, em termos de segurança, nunca poderemos afirmar que os condomínios deixarão de ser totalmente vulneráveis
No último mês de janeiro, a imprensa escrita, falada e televisada noticiou um assalto em um condomínio de luxo em Mogi das Cruzes, na Grande SP, sendo veiculada a notícia da seguinte forma: “Assaltantes passam nove horas em condomínio de alto padrão em Mogi - Homens armados e encapuzados assaltaram duas casas de um condomínio de alto padrão, no bairro Residencial Itapeti, em Mogi das Cruzes. Duas famílias foram feitas reféns durante quase nove horas, segundo a Polícia Militar.” 
Fonte: http://g1.globo.com/, 
de 31/01/2016 .

Atualmente, os meliantes não têm poupado esforços a fim de alcançarem seus objetivos delituosos em condomínios, quer seja escalando a parte externa do condomínio ou saltando muros, quer seja entrando pela portaria principal, através do emprego da violência ou mesmo por artimanhas, tendo como principal aliado o fator surpresa ou, até mesmo, utilizando as mais inusitadas maneiras para enganar condôminos e funcionários. Tudo para invadirem as ditas “fortalezas”, que antes eram consideradas intransponíveis.
Suas sutilezas são utilizadas para que, ao adentrarem o condomínio, possam realizar invasões de domicílios, furtos, roubos, sequestros, entre outros crimes, causando medo e pânico nas pessoas.
Portanto, devem ser adotadas algumas precauções mínimas e  básicas como:
• Manter todas as portas e/ou portões fechados, mesmo que um indivíduo estranho force sua entrada por estes meios;
• Acionar a Polícia Militar, através de seu telefone de emergência (190), passando todos os dados e informações corretos, conforme orientação anterior;
• Acionar o alarme sonoro ou o botão de pânico, se for o caso;
• Avisar o síndico, os moradores, bem como os demais funcionários para que evitem sair das residências ou de seus postos de trabalho, a fim de não se tornarem vítimas dos assaltantes;
• Não permitir que nenhuma pessoa estranha adentre ao condomínio durante o desenrolar dos fatos;
• Ao chegar a Polícia, facilite sua ação, fornecendo subsídios concretos para sua atuação.
Torna-se oportuno lembrar que para ter a segurança próxima do ideal, as pessoas precisam mentalizar que a verdadeira proteção inicia-se com a prevenção, pois através desta é que se consegue evitar os fatos delituosos; no entanto, havendo falhas preventivas, situações de risco tornam-se  iminentes e reais, necessitando usar meios repressivos, a fim de repelir tais agressões, onde não se pode desconsiderar o perigo, em caso da falha de tais meios, podendo haver danos irreversíveis a suas possíveis vítimas. Apesar de tudo que se faça, em termos de segurança, nunca poderemos afirmar que os condomínios deixarão de ser totalmente vulneráveis. Contudo, podemos garantir que, se houver uma integração otimizada de seus meios e recursos humanos e tecnológicos, aliados a uma vontade de que haja um maior grau de proteção, por parte dos próprios condôminos e colaboradores, todos estes riscos serão amplamente minimizados.

José Elias de Godoy - Especialista de Segurança em Condomínios e autor dos livros “Manual de Segurança em Condomínios’’ e “Técnicas de
Segurança em Condomínios”. - elias@suat.com.br


  Untitled Document





Untitled Document

Jornal Sindico News - Editora Santa Luiza Ltda.
Tel: 11 5573-0333 - São Paulo - contato@sindiconews.com.br
© COPYRIGHT 2012 - Todos os direitos reservados
 
1048108 visitas
 
Desenvolvido por